Pular para o conteúdo principal

Mistério de Sirius

Mistério de Sirius


Os egiptólogos modernos, entre eles Wallis Budge, são de opinião que não se
trata de uma semelhança ocasional. Sómente uma fonte primordial e coletiva pode
explicar essas semelhanças surpreendentes. A hipótese mais lógica de uma tal
fonte coletiva leva-nos em direção de um conhecimento extra-oculto, proibido de
ser revelado, pertencente aos verdadeiros mistérios. Porém, mesmo as mitologias
conhecidas e preservadas por nós revelam muita coisa, resultante das semelhanças
no terreno da tradição mitológica, que não tem nada a ver com o intercâmbio
entre culturas separadas pelo tempo e espaço. Jasão e seus 50 argonautas estão
ligados à Constelação de Sírius (Cão), mas uma !igação semelhante existe entre o
herói sumeriano Gilgamesh e seus 50 companheiros, indicando a órbita de 50 anos
da estrela anã, branca, invisível: Sírius B.

Sob cada uma das tradições antigas citadas esconde-se sempre a mesma imagem
primordial, mesmo arquétipo: a gênese dos dogons, que tem como ponto de origem a
misteriosa Sírius B.

"Parece incrível", diz Robert Temple, que como acadêmico tinha que omitir
muitos preconceitos e , a idéia em sí é não somente inacreditável como é
também bastante perturbadora.

"Mas não há outro jeito", ele afirma , "quando nos aprofundamos no que
chamamos a origem da civilização humana neste planeta, temos que contar com a
possibilidade de que homens primitivos tenham recebido uma quantidade de
elementos culturais das mãos de seres extraterrestres, verdades que deixaram
rastros que hoje já podemos decifrar"

Não há descrições mais concretas que as dos dogons quando falam da chegada de
Amma ou dos nommos. As espaçonaves pousaram na região Noroeste da sua terra.
Eles fizeram um barulho comparável ao que as crianças fazem quando batem pedras
sobre pedras, como acontece durante determinadas comemorações em uma gruta onde
os ecos são bastantes amplificados. Essa descrição lembra muito as vibrações
causadas por um avião a jato. No pouso da espaçonave Argo temos um espetáculo
com redemoinhos, tempestades de areia e chamas que saíam dela. Quando Argo
está no chão, aparece uma máquina de quatro pés que o arrasta até o lago
mais próximo. A tripulação prefere ficar ali, o que parece compreensivel quando
pensamos que os nommos respiram através de guelras.

Esse também era o caso de Oannes ( o Jonas biblico /rsm ). Enquanto isso Amma
ficou no céu, na região de Sírius, ao lado de um nommo chamado Die,
substituto de Amma. Os nommos não poupam seus esforços para ajudar os
terráqueos, até sacrificando seus corpos para os homens poderem se alimentar com
sua carne e beberem seu sangue. Um entre eles foi crucificado , sob a árvore
Kilena, mas ressuscitou depois . . .

É provável que os dogons tenham conservado o núcleo mais importante da sua
astronomia. Em todo caso, Temple achou que valia a pena investigar até que
época da pré-história se estende o conhecimento da astronomia, e até que ponto
ela pode ser considerada "impossível" (tão "impossivel" quanto os Mapas
de Piri Reis - vide no meu site, o texto a respeito/rsm ). O resultado é
simplesmente extraordinário. Um filósofo grego, Próclos (410-484), disse que no
círculo fechado dos discípulos de Platão, até as vésperas da penetração
definitiva , do cristianismo, tinha-se um conhecimento adiantadíssimo a respeito
do universo. Sómente mil anos mais tarde, com o impacto do Renascimento, esse
conhecimento começou a se desenvolver novamente desde o início e com muitas
dificuldades. Ou, talvez, esse conhecimento sempre tenha sido transmitido
através de seitas secretas de iniciados em um mistério nunca totalmente perdido.

Os egípcios identificaram Sírius a Ísis, sua deusa suprema. Quando o
cristianismo se espalhou, o papel de Maria, mãe de Jesus, foi minimizado. Com o
correr do tempo, porém, aconteceu uma osmose corn a crença em Ísis, intensa em
toda a região do Mediterrâneo e até nas terras ocupadas pelos romanos. Cada
vez mais Maria foi sendo deificada. Podemos dizer que, em um determinado
momento, ela se tornou muito mais popular que o próprio Cristo. Algumas vezes
ela é venerada com sua imagem cercada de estrêlas, e é chamada SteIla Maris, em
uma imagem estranha, sem que o povo fique ciente disso. Em alguns lugares da
França, como por exemplo na catedral de Chartres, no Flandres (Halle), existe
uma devoção antiqüíssima ao redor das Madonas Negras.

Não se trata de estátuas enegrecidas sob a influêñcia do tempo, mas de estátuas
propositadamente esculpidas com madeira preta. Todos os estudos dedicados a
essas madonas mostram que os arqueólogos não sabem o que fazer com elas. Alguns
especialistas pensam tratar-se de relíquias de Ísis datando dos primeiros tempos
de veneração de Maria , mas admitem que a cor negra ainda não foi explicada.

A esta altura , deve-se ter concluído conosco o segredo : Maria foi
identificada com Nephtys, irmã negra de Ísis, a misteriosa estrela invisível
que os dogons chamam Po Tolo , e nós , Sírius B .



A continuar . . .



Extraido de um artigo de Hubert Lampo - 1979

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS MISTÉRIOS DO 11 DE SETEMBRO "PORQUE A VERSÃO OFICIAL NÃO PODE SER VERDADEIRA"

TODOS OS MISTÉRIOS FORAM DESVENDADOS NESTE DOCUMENTÁRIO RTP 2 - 11 de Setembro A Grande Farsa (Completo) NÃO FOI UMA AERONAVE QUE ATINGIU O PENTÁGONO ISTO JÁ ESTA PROVADO AUTOR QUE DENUNCIAVA 11/09 É ENCONTRADO MORTO AUTOR QUE DENUNCIAVA O 11 DE SETEMBRO COMO UM PLANO AMERICANO É ENCONTRADO MORTO JUNTO COM TODA FAMÍLIA Phillip Marshall, pesquisador, escritor e ex-piloto da CIA, foi encontrado morto em 2 de fevereiro de 2013, com sua esposa e filhos. Até mesmo o cão da família foi morto. As autoridades tratam a questão como suicídio, mas de acordo com aqueles que o conheciam Phillip, ele vivia com medo desde q...ue ele publicou seu livro "The Big Bamboozle: 9/11 e a Guerra ao Terror", em que culpa o governo dos Estados Unidos para os ataques. Phillip escreveu no livro que a administração Bush, com a cooperação de inteligência saudita, foi responsável pelos ataques terroristas de falsa bandeira 11 de setembro de 2001 às Torres Gêmeas. De ac

ARTUR BERLET E A REVELAÇÃO (UMA CIDADE COM 90 MILHÕES DE HABITANTES) NOSSO PLANETA O PRÓXIMO ALVO?

Aliás, todas as evidências indicam que existe mesmo uma certa raça malévola dos tripulantes de OVNI que tem um grande interesse em destruir a nossa civilização, muito possivelmente para se apoderar da Terra - um verdadeiro paraíso infelizmente tão desprezado e maltratado por nós mesmos! Nada, nada mesmo, impede que certas criaturas, tal como nos falam os relatos bíblicos sobre a "Tentação da Serpente", de tempos em tempos se aliem com algumas nações, fornecendo tecnologia e assim estimulando nos bastidores, e graças à nossa estupidez, o nosso próprio fim! Artur Belet, um brasileiro seqüestrado para exames por tripulantes de um OVNI no Estado do Rio Grande do Sul, ouviu de um deles precisamente isto: "Chegamos à conclusão que vocês não suportarão por durante muito tempo a curiosidade de ver o estrago que fazem todas as suas armas. E quando isso acontecer, não poderão escapar dessa devastação, porque com poucas bombas daquelas (nucleares) contaminarão tod

OS BARCOS AÉREOS DA TRIBO DROPA (também Dropas, Drok-pa ou Dzopa "Trabalho de Wegener"

Nas cavernas mais altas da região de Baiam-Kara-Ula vivem as tribos dropa e ham. Os homens dessas aldeias são de estatura pequena e constituição física muito particular. Sua altura oscila ao redor de 1,30 metro. Até hoje não foi possível relacioná-los a nenhum dos grupos étnicos terrestres e o trabalho dos cientistas é tanto mais complicado quando se sabe que há pouquíssimas referências a seu respeito no resto do mundo. Eis que, decifrando o texto de pedra, Tsum-Um-Nui e seus colegas descobriram claras alusões aos dropa e aos ham: "... Os dropa desceram do céu em seus barcos aéreos. E dez vezes do nascer ao pôr-do-sol homens, mulheres e crianças esconderam-se nas cavernas. Mas, por fim, compreenderam os sinais feitos pelos recém-chegados, que eram de paz. Outras inscrições da tribo ham revelam o desespero daqueles seres quando perderam sua última máquina voadora, que aparentemente se chocou contra alguma montanha inacessível, e sua tristeza ainda