Pular para o conteúdo principal

OS BARCOS AÉREOS DA TRIBO DROPA (também Dropas, Drok-pa ou Dzopa "Trabalho de Wegener"









Nas cavernas mais altas da região de Baiam-Kara-Ula vivem as tribos dropa e ham. Os homens dessas aldeias são de estatura pequena e constituição física muito particular. Sua altura oscila ao redor de 1,30 metro. Até hoje não foi possível relacioná-los a nenhum dos grupos étnicos terrestres e o trabalho dos cientistas é tanto mais complicado quando se sabe que há pouquíssimas referências a seu respeito no resto do mundo. Eis que, decifrando o texto de pedra, Tsum-Um-Nui e seus colegas descobriram claras alusões aos dropa e aos ham:

"... Os dropa desceram do céu em seus barcos aéreos. E dez vezes do nascer ao pôr-do-sol homens, mulheres e crianças esconderam-se nas cavernas. Mas, por fim, compreenderam os sinais feitos pelos recém-chegados, que eram de paz.

Outras inscrições da tribo ham revelam o desespero daqueles seres quando perderam sua última máquina voadora, que aparentemente se chocou contra alguma montanha inacessível, e sua tristeza ainda maior por não conseguirem fabricar outra igual.

Pequenos fragmentos dos discos de pedra, retirados para análise, revelaram grande percentagem de cobalto, e outras experiências trouxeram provas de um anormal ritmo de vibrações dessas partículas, como se elas tivessem feito parte, antigamente, de um circuito elétrico.

Tudo isso é bem significativo. Existem ainda velhas lendas chinesas que contam da descida do céu de pequenos homens claros, magros e de cabeça anormalmente desenvolvida. Montados "em cavalos rápidos voadores" eles perseguiam os habitantes, que fugiam espavoridos. O mais extraordinário é que em algumas das cavernas de Baiam-Kara-Ula os arqueólogos descobriram estranhas tumbas e, dentro delas, esqueletos de 12 000 anos de idade. Suas características eram um crânio enorme e membros atrofiados. As primeiras expedições arqueológicas que descobriram as sepulturas declararam que "tais restos pertenceram a uma espécie extinta de macacos", mas não revelaram como é que os macacos tinham desenvolvido uma cultura capaz de conceber o enterramento de seus mortos. O mistério se torna tanto maior pelos desenhos que ornam as paredes e tetos das cavernas tumulares: representam o Sol levante, a Lua, e as estrelas, a Terra e, aproximando-se dela, grupos de pequenos objetos de contorno indefinido. Algo como a representação simplificada de esquadrilhas de aviões.., ou de astronaves.

Trabalho de Wegener (ou Wegerer)

Uma outra parte da história está aquela em 1974 um Ernst Wegener (chamado às vezes Wegerer), dito ser um coordenador Austrian, fêz exame de fotografias de dois discos que se encontraram com as descrições do Pedras de Dropa. Era, a história vai, em uma excursão no Banpo-Museu em Xian, quando observou os discos de pedra na exposição. His reivindica estados que viu um furo no centro de ambos os discos e hieroglyphs em bosques espiralando em parte desintegrados em torno deles.

Wegener pediu aos gerentes do Banpo-Museu mais informação nas partes no showcase. O gerente não soube nada da história das pedras, embora podia dizer uma história completa sobre todos os outros artifacts feitos da argila. Soube somente que os discos de pedra eram “cult sem importância objetam”.

Wegerer foi permitido alegada fazer exame de um dos discos em sua mão. De acordo com suas estimativas os discos pesaram ao redor 10 newtons (ou 2 libra-força) e o diâmetro em um pé. Alegada os hieroglyphs não podem ser vistos em suas fotos, porque se desintegraram afastado em parte, e o flash da sua câmera lavou para fora o detalhe fino, tal como os sulcos espirais. Duas de suas fotos podem ser vistas aqui [1],

Alguns dias depois que sua visita, o gerente foi chamada longe de seu trabalho sem lhe dizer porque. Ela e os dois discos de pedra desaparecidos, de acordo com o professor Wang Zhijun, o diretor do Banpo-Museu em março de 1994 (Wang Zhijun é mencionado somente como o deputado diretor em Web site do non-Dropa, por exemplo [2].


Relatórios

1322: “Esse goeth do rio (rio de Dalay) através da terra dos Pigmies, onde aquele o popular seja de pouco stature, que seja mas três mede por muito tempo (70 cm de altura), e deles seja justo direito e dome, após suas quantidades, os homens e as mulheres. E casam-nos quando forem meio ano de idade e começam-nos crianças. E vivem não mas seis anos ou sete no mais; e esse liveth oito anos, homens mantem-no lá passagem direita velho. “ Os cursos de Senhor John Mandeville, 1322 A.D. - um travelogue inglês sabido para seu outlandishness ocasional, especialmente em discutir Cathay e áreas desconhecidas a a maioria de Europeus).

1911: Um relatório diz sobre sightings repetidos de seres extremamente dwarfish em Tibet e em Ásia central circunvizinha. [3]

Segunda guerra mundial: Australian no dever com os aliados em China central durante a segunda guerra mundial, falar nunca parado sobre diverso encontro teve com um tribe dwarfish em China central, mesmo acima até sua morte. Disse que eram muito menores do que os pigmeus de África. Os pigmeus africanos têm aproximadamente 140 a 150 cm de altura. Esta reivindicação é dos grandchildren do Australian. [4]
1947: Dr. inglês do cientista. Robin-Evans de Karyl (revelado para ser uma pessoa imaginária do livro do hoax Sungods no Exile, publicado em 1978, editor” David Agamon do livro pelo “) viajado “à terra misteriosa do Dzopa”. Em Lhasa (Tibet), encontrou-se com o 14o Dalai Lama. Foi abandonado por seu Sherpas tibetano, que estava receoso do Baian-Kara-Ula, uma área evitada pelos povos locais por causa de algum habitante estranho lá. Após o esforço grande, alcançou seu destino. Lá encontrou alguns cem povos dwarfish, 120 cm na média, vivendo em um vale remoto nas montanhas. O robin-Evans agarrou uma foto do Hueypah-La governando dos pares de Dzopa (120 cm de altura) e do Veez-La (100 cm de altura). Permaneceu lá para a metade um do ano, e aprendeu suas língua, história, e tradições. Lurgan-La, guardian religioso do Dzopa, dito o Dr. Robin-Evans que vieram originalmente de um planeta no Sirius-sistema. Aproximadamente 20 000 anos há e outra vez no ano 1014 duas missões da exploração de Dzopa viajaram à terra. Em 1014, deixaram de funcionar nesta área da montanha. Muitos deles morreram. Os sobreviventes não poderiam deixar a terra. “Dr. O robin-Evans " revelou eventualmente para ser uma pessoa imaginária do livro do hoax Sungods no Exile, publicado em 1978, editor” David Agamon do livro pelo “.[1]
1995: Há também um relatório que na província de Sichuan em China central, na beira oriental das montanhas de Baian-Kara-Ula, uma vila pygmy seja descoberta com 120 indivíduos, variando de 65 a 115 cm na altura. Esta história não pode ser verificada e é encontrada somente em locais relacionados Dropa


Referências

^ http://ufologie.net/htm/dropasagamon.htm Livro de David Gamon
Agamon, David. Sungods no Exile. Sudbury: Spearman, 1978.
Däniken, Erich von. Deuses do espaço exterior. New York: Putnam, 1968.
Däniken, Erich von. Ouro dos deuses Londres: Imprensa da lembrança, 1973.
Fitzpatrick-Matthews, Keith “as pedras de Dropa (ou pedras de Dzopa)”
Hausdorf, Hartwig. O Roswell chinês Boca Raton: Paradigm novo, 1998.
David Ritchie; UFO: A guia Definitive aos objetos não identificados do vôo e aos fenômenos relacionados; Fatos de Lima, 1994; ISBN 0-8160-2894-X
Limas do UFO: O Roswell chinês. Tevê especial, 30 junho 2005 da canaleta da história.
Dropa - extraterrestrial em Tibet antigo (Chinês)
O Dropa apedreja - About.com - fenômenos de Paranormal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS MISTÉRIOS DO 11 DE SETEMBRO "PORQUE A VERSÃO OFICIAL NÃO PODE SER VERDADEIRA"

TODOS OS MISTÉRIOS FORAM DESVENDADOS NESTE DOCUMENTÁRIO RTP 2 - 11 de Setembro A Grande Farsa (Completo) NÃO FOI UMA AERONAVE QUE ATINGIU O PENTÁGONO ISTO JÁ ESTA PROVADO AUTOR QUE DENUNCIAVA 11/09 É ENCONTRADO MORTO AUTOR QUE DENUNCIAVA O 11 DE SETEMBRO COMO UM PLANO AMERICANO É ENCONTRADO MORTO JUNTO COM TODA FAMÍLIA Phillip Marshall, pesquisador, escritor e ex-piloto da CIA, foi encontrado morto em 2 de fevereiro de 2013, com sua esposa e filhos. Até mesmo o cão da família foi morto. As autoridades tratam a questão como suicídio, mas de acordo com aqueles que o conheciam Phillip, ele vivia com medo desde q...ue ele publicou seu livro "The Big Bamboozle: 9/11 e a Guerra ao Terror", em que culpa o governo dos Estados Unidos para os ataques. Phillip escreveu no livro que a administração Bush, com a cooperação de inteligência saudita, foi responsável pelos ataques terroristas de falsa bandeira 11 de setembro de 2001 às Torres Gêmeas. De ac

ARTUR BERLET E A REVELAÇÃO (UMA CIDADE COM 90 MILHÕES DE HABITANTES) NOSSO PLANETA O PRÓXIMO ALVO?

Aliás, todas as evidências indicam que existe mesmo uma certa raça malévola dos tripulantes de OVNI que tem um grande interesse em destruir a nossa civilização, muito possivelmente para se apoderar da Terra - um verdadeiro paraíso infelizmente tão desprezado e maltratado por nós mesmos! Nada, nada mesmo, impede que certas criaturas, tal como nos falam os relatos bíblicos sobre a "Tentação da Serpente", de tempos em tempos se aliem com algumas nações, fornecendo tecnologia e assim estimulando nos bastidores, e graças à nossa estupidez, o nosso próprio fim! Artur Belet, um brasileiro seqüestrado para exames por tripulantes de um OVNI no Estado do Rio Grande do Sul, ouviu de um deles precisamente isto: "Chegamos à conclusão que vocês não suportarão por durante muito tempo a curiosidade de ver o estrago que fazem todas as suas armas. E quando isso acontecer, não poderão escapar dessa devastação, porque com poucas bombas daquelas (nucleares) contaminarão tod

EXISTEM TRÊS TIPOS DE REBELDES NO MUNDO

O rebelde a natureza, o rebelde a ciência e o rebelde a verdade, eles eram figurados no inferno dos antigos pelas três cabeças de Cérbero. Eles são figurados na Bíblia por Coié, Dathan e Abiron. Na lenda maçonica, eles são designados por nomes que variam segundo as ritos. O primeiro que se chama ordinariamente Abiran ou assassino de Hiran, fere o grão-mestre com a régua. É a história do justo que se mata, em nome da lei, pelas paixões humanas. O Segundo, chamado Mephiboseth, do nome de um pretendente ridículo e enfermo à realeza de Davi, fere Hiram com a alavanca ou a esquadria. É assim que a alavanca popular ou a esquadria de uma louca igualdade toma-se o instrumento da tirania entre as mãos da multidão e atenta, mais infelizmente ainda do que a régua, à realeza da sabedoria e da virtude. O terceiro enfim acaba com Hiram com a machadinha, Como fazem os instintos brutais quando querem fazer a ordem em nome da violência e do medo, abafando a inteligência. O ramo de a